Você já cogitou investir no tesouro direto?

Aproximadamente 69,5% dos brasileiros consideram a caderneta de poupança a melhor forma de investir, segundo pesquisa realizada pelo SPC Brasil em 2017. O Tesouro Direto surge apenas na sétima posição, com 1,6%. A justificativa pela escolha da poupança é o desejo de evitar perdas.

Mas e se nós te dissermos que o Tesouro Direto, além de render mais, é mais seguro? Isso mesmo, a gente explica: A poupança carrega a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), uma entidade privada que garante valores de até R$ 250 mil por CPF por instituição financeira. Já o Tesouro Direto tem sua garantia no Tesouro Nacional, independente do valor aplicado.

Nenhum investimento é livre de risco, a diferença é que a poupança possui garantias privadas, enquanto o Tesouro Direto possui garantias públicas. Nenhum outro investimento possui essa garantia. Em caso de necessidades financeiras, o Governo Federal pode, por exemplo, imprimir dinheiro ou aplicar impostos. O setor privado não pode se financiar desse modo.

Além disso, é mais provável que uma instituição privada quebre do que o Governo. Caso isso viesse a acontecer, os bancos também seriam afetados. Então, agora que você já sabe o motivo do Tesouro Direto, além de ter mais rentabilidade, ser mais seguro que a caderneta de poupança, é só começar a investir.

Tudo que você precisa para investir é ter CPF e conta corrente em uma instituição financeira. Existem milhares de instituições habilitadas, você precisará escolher uma para intermediar as suas transações com o Tesouro Direto. Esses bancos ou corretoras diferem quanto à taxa cobrada e ao prazo de repasse de recursos para a conta do investidor.

Depois de feita a escolha, você deverá entrar em contato com a instituição e solicitar o seu cadastramento. Após o fornecimento de toda a documentação que será solicitada, você terá uma conta em seu nome para operar com o Tesouro Direto. Para realizar ações de compra e venda, assim como consultas de saldos e extratos, você receberá uma senha, que poderá ser alterada, da BM&FBovespa para o acesso à área restrita do Tesouro Direto.

Com isso feito, você já será um investidor habilitado e poderá começar a investir. Você só precisará descobrir qual o título que mais se encaixa na sua realidade, personalidade e objetivo financeiro. Existe uma ferramenta no site do Tesouro Direto e na área restrita ao investidor chamada “Orientador Financeiro” que poderá lhe ajudar na escolha. Com o título definido, basta efetuar a compra.

A partir daí, é só aproveitar os rendimentos do título escolhido no Tesouro Direto sabendo que se está o mais seguro possível.

Poupe hoje, invista amanhã<<

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será divulgado.